A economia do artesanato familiar

Brinquedos esculpidos em madeira são o principal produto fabricado pela família Rossato
Brinquedos esculpidos em madeira são o principal produto fabricado pela família Rossato – Crédito: Marcela Barbosa

Os Rossato foram um dos participantes da Exposição de Artesanato do Rio Grande do Sul (Expoargs) realizada durante a Expointer 2016. A família fabrica e comercializa brinquedos esculpidos em madeira tendo no artesanato sua principal fonte de renda. Fazer objetos manufaturados é o ofício de três gerações da família.

Por Sharon Nunes
Jornalismo Econômico/Noite

O dia começa cedo para as artesãs Luciane Rossato Dias e Maria Izabel Rodrigues Rossato, do estande Belgar Artesanato. A semana promete ser movimentada. Ainda em Sapucaia do Sul, sua cidade, a família segue para o Parque de Exposição Assis Brasil onde irão comercializar seu artesanato esculpido em madeira. Há 17 anos, a família participa da Exposição de Artesanato do Rio Grande do Sul (Expoargs) que integra as atrações da Expointer desde 1984. Em seu estande, a Belgar Artesanato vende brinquedos talhados em madeira.

As artesãs Maria Izabel Rodrigues Rossato (de lado) e sua filha Luciane Rossato Dias comercializam seu artesanato em feiras pelo Estado - Crédito: Marcela Barbosa
As artesãs Maria Izabel Rodrigues Rossato (de lado) e sua filha Luciane Rossato Dias comercializam seu artesanato em feiras pelo Estado – Crédito: Marcela Barbosa

A família tem no artesanato a sua principal fonte de renda.  A filha de artesãos, Luciane Rossato Dias, escolheu seguir a profissão dos pais. “Meu pai é artesão há 33 anos. Sempre trabalhou com madeira, tanto ele quanto minha mãe. Eu e meu irmão seguimos a profissão de artesão. Ser artesã para mim é um orgulho”, diz.

Além do estande na Expointer, a família Rossato comercializa seu artesanato na Casa do Artesão, no Brique da Redenção, na Casa da Economia Solidária, em feiras de artesanato e por encomenda. A mãe de Luciane, Maria Izabel Rodrigues Rossato, ressalta que a principal dificuldade que o artesão enfrenta é a falta de espaço para venda de seus produtos. “Quando troca de governo, eles mexem nessas coisas e a gente que é atingido. Eles nos tiraram duas (feiras). Há muita batalha. Conseguimos fazer uma feira de Natal, com protestos na frente da prefeitura”, afirma.

A beleza do artesanato

Para os visitantes da 32ª Expoargs a riqueza de detalhes do artesanato da família Rossato impressiona. “Dá para fazer uma casinha de boneca completa. Tem quarto com cama, roupeiro e escrivaninha. Tudo bem acabado”, diz a aposentada Ivanir Almeida.

Riqueza de detalhes no artesanato impressiona os visitantes da Expoargs - Crédito: Marcela Barbosa
Riqueza de detalhes no artesanato impressiona os visitantes da Expoargs – Crédito: Marcela Barbosa

O impacto econômico

A Expointer, uma das maiores feiras agropecuárias da América Latina, movimenta a economia do estado e impulsiona os pequenos produtores. Em 2015, a feira recebeu 545 mil visitantes e a comercialização total da feira ficou por volta de 1,7 bilhão de reais. Somente o artesanato rendeu mais de 15 milhões. Em 2016, com a queda no número de visitantes para 355 mil pessoas, e de expositores no Pavilhão de artesanato de 282 para 227, a Expoargs teve um decréscimo no número final em suas vendas, como podemos ver no gráfico abaixo:

A Expoargs é desenvolvida pelo Programa Gaúcho do Artesanato (PGA), que incentiva a profissionalização e fomenta a atividade artesanal com políticas de formação, qualificação e apoio à comercialização. O Programa é uma realização da Fundação Gaúcha do Trabalho e Ação Social (FGTAS), órgão vinculado à Secretaria do Trabalho e do Desenvolvimento Social do Rio Grande do Sul (STDS).

O processo seletivo da Expoargs

Inscrições: As inscrições são abertas em abril pela Fundação Gaúcha de Trabalho e Ação Social (FGTAS). Para participar, é preciso estar com a Carteira de Artesão atualizada, preencher a ficha de inscrição (anexa) e comparecer à Casa do Artesão de Porto Alegre (Av. Júlio de Castilhos, 144) ou às Agências FGTAS/SINE no interior do Estado.

Triagem: Após o encerramento das inscrições, os artesãos deverão entregar de 5 a 10 peças por matéria-prima para participar da triagem que selecionará os trabalhos de acordo com os critérios da Portaria FGTAS Nº 067/2009 .

Seleções: Na última etapa, a comissão responsável seleciona os artesãos que terão direito de comercializar seu artesanato na Expoargs.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *