Geração E: Jornal do Comércio se renova para atingir jovens empreendedores

Equipe do Geração E testando a partida de futebolha: Leonardo Pujol, Roberta Fofonka, Niágara Braga e Mauro Schneider Crédito: Geração E / Divulgação
Equipe do Geração E testando a partida de futebolha durante reportagem sobre o empreendimento: Leonardo Pujol, Roberta Fofonka, Niágara Braga e Mauro Schneider – Crédito: Geração E / Divulgação
Falar de empreendedorismo de uma maneira que atraia as pessoas nem sempre é uma tarefa fácil. Pensando nisso é que o Jornal do Comércio de Porto Alegre apostou na criação da plataforma de conteúdo Geração E, com encarte semanal e versão online.

Por Melissa Renz
Jornalismo Econômico / Manhã

A ideia da plataforma do Geração E surgiu no setor de marketing do jornal após dois anos de estudo e acompanhamento do mercado. Um dos objetivos era atingir o público gaúcho que estava em busca de informação e conteúdo especializado para empreendedores iniciais e aqueles que buscavam inovar em seus negócios já estabelecidos. Segundo dados do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), a maioria dos empreendedores do Sul, 52,8%, tem entre 18 e 34 anos.

Como o jornal já possuía um sólido grupo de leitores pela tradição, o desafio era desenvolver um novo produto que tivesse um tipo diferente de abordagem, mais moderna, inovadora e, principalmente, multiplataforma, para conquistar novos leitores jovens e complementar às informações para aqueles já existentes. Utilizar uma linguagem moderna, que dialogasse bem com esse público, foi essencial para o projeto dar certo.

A PUCRS demonstrou interesse desde o inicio em ser parceira do projeto, mas o jornal queria que pelo menos mais um patrocinador entrasse para colocar o Geração E na rua. A plataforma, no entanto, foi lançada apenas com um patrocinador e cerca de sete meses depois entrou o segundo, dessa vez o Sebrae. No dia 27 de agosto de 2015 o caderno começou a circular a todo vapor e não parou mais.

O coordenador de marketing do Jornal do Comércio, Eduardo Tavares, informa que o Geração E aumentou o número de assinantes do jornal. Atraídos pelo novo conteúdo, acabam acessando também os demais conteúdos do jornal.

“O Geração E serviu como um canal novo de entrada para os demais conteúdos do jornal, visto que os grandes números de acessos ao site do GE acabam direcionando também os leitores ao restante do jornal, impulsionando a sua visibilidade”, constata Tavares.

 Equipe de Marketing do Jornal do Comércio com a primeira versão do caderno - Crédito: Mauro Schneider / Arquivo Pessoal
Equipe de Marketing do Jornal do Comércio com a primeira versão do caderno – Crédito: Mauro Schneider / Arquivo Pessoal

Escolha da equipe

Para dar o pontapé inicial era necessário fazer a escolha de uma equipe.  Mauro Belo Schneider, 30 anos, que era repórter do site do Jornal do Comércio recebeu o convite para ser o editor do Geração E. “Eu tive liberdade de montar a minha equipe, composta de um repórter e dois estagiários. Neste momento, eu pensei, fazendo consultas em diversos departamentos do jornal, como seria a disposição do conteúdo  no online e no impresso. A equipe de diagramação foi essencial também para dar uma cara jovem ao projeto”, relata o jornalista.

Atualmente a equipe é formada pela repórter Roberta Fofonka e os estagiários Niágara Braga e Ulisses Miranda Créditos: Mauro Schneider / Arquivo Pessoal
Atualmente a equipe é formada pela repórter Roberta Fofonka, pelo editor Mauro Schneider e pelos estagiários Niágara Braga, da PUCRS, e Ulisses Miranda, da UniRitter – Créditos: Mauro Schneider / Arquivo Pessoal

Mauro considera o Geração E sua maior conquista profissional. “Tenho muito prazer em construir esse projeto junto com o resto da equipe. O retorno que temos é muito positivo e, por vezes, emocionante. Sabemos que nosso trabalho impacta a vida de muitas pessoas. E o que mais um jornalista pode querer? ”, destaca.

A comunicação digital é uma grande aliada do projeto. “Os leitores são empreendedores de mente jovem que interagem muito conosco nas redes sociais”.  O Geração E também tem presença constante em eventos para blogueiros e instagramers, o que aproxima demais a marca do público, informa Mauro Schneider.

Giovani Tumelero, um dos grandes entusiastas do projeto, durante a festa de um ano do Geração E realizada no Santo Mimo - Crédito: Vagner Ribas
Giovani Tumelero, um dos grandes entusiastas do projeto, durante a festa de um ano do Geração E realizada no Santo Mimo – Crédito: Vagner Ribas

Mais interação

“Eu acho que a plataforma Geração E trouxe uma nova base de leitores ao JC, que interagem muito com as redes sociais e por isso trazem um novo tipo de leitura aos nossos conteúdos”, ressalta a repórter do site do Jornal do Comércio Bruna Oliveira, 25 anos.

O caderno e os temas abordados criaram um novo canal de interação, que aproxima muito mais o jornal e o seu público, acrescenta a repórter do site.

O jornalista Leonardo Pujol, 27 anos, foi um dos primeiros estagiários da equipe e observa que a oportunidade de trabalhar lá o ajudou a crescer profissionalmente.  Além disso, ele antes era cético em relação a negócios próprios mas sua a experiência no Geração E o fez mudar de ideia.

“No GE, pude aperfeiçoar minha escrita, aprender com referências do jornalismo gaúcho e, talvez o mais surpreendente, derrubar dogmas pessoais que eu mantinha em relação ao empreendedorismo. Entrevistando as dezenas de empreendedores e especialistas, eu obtive uma nova perspectiva”, reconhece o jornalista recém formado.

Retorno das matérias

Um exemplo do impacto positivo do projeto nos empreendimentos foi a matéria intitulada Jogamos futebolha, publicada no dia 28 de julho de 2016. A empresa Smile Futebolha trabalha com um futebol diferente do habitual. São bolhas nas quais a pessoa entra dentro e joga futebol de uma maneira divertida (foto no início desta matéria).

A empreendedora Joice Eccel, 34 anos, dona do Smile, conta que foi imprescindível a divulgação do seu negócio na plataforma. “O Futebolha ainda é novidade aqui no Sul. Muita gente ainda não conhece. Somos muito gratos ao Jornal do Comércio pela matéria. Tivemos diversos contatos de pessoas que viram na Geração E”, relata a empresária. Logo após a publicação, a dona do negócio atendeu pedidos até na madrugada.

Planos para o futuro

Para 2017, Mauro Schneider anuncia que o objetivo é posicionar ainda mais o Geração E como um capacitador de empreendedores. “Queremos promover mais eventos, workshops, competições e cumprir um papel formador, aliado ao atual papel de inspirador”, antecipa. Além disso, em breve o leitor poderá esperar o lançamento de pesquisas inéditas sobre empreendedorismo com foco no Rio Grande do Sul.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *