O mercado das rações no agronegócio e no comércio de ‘pets’

Stand da empresa Supra na Expoagas 2014. Crédito: Camila Arosi

O mercado de rações para animais de estimação vem crescendo significativamente. Dados do setor mostram que durante o primeiro semestre de 2014 foram produzidas 31,5 milhões de toneladas de rações no Brasil, um acréscimo de 2,4% comparado ao mesmo período do ano passado, e a expectativa é que estes números aumentem.

Por Camila Arosi
Jornalismo Econômico  / Manhã

É cada vez maior a participação do setor das rações na economia nacional e, por isso, é parte relevante do agronegócio: até o fim de 2014, estima-se que cerca de 67,3% do faturamento venha dos produtos para nutrição animal, cuja composição é 95% de ingredientes como milho, soja, arroz, trigo, e carnes de aves, bovinos e peixes.

Empresa referência no segmento de rações, a Supra é uma das principais fornecedoras de alimentos para animais de pequeno e grande porte no Rio Grande do Sul e no Brasil. Com mais de 35 anos, produz e distribui alimentos para animais, cobrindo todas as fases da nutrição animal.

A empresa Supra no mercado gaúcho

A Supra, parceira de diversos eventos que ocorrem no Rio Grande do Sul e no Brasil, expõe todos os anos em uma feira que já é referencia no mercado gaúcho. Com mais de três décadas, a Expoagas é organizada pela Associação Gaúcha de Supermercados (Agas).

O evento atrai centenas de empreendedore e faz girar a economia gaúcha com uma arrecadação anual de mais de 200 milhões de reais. Uma das principais funções da Agas, segundo os seus organizadores, é representar o setor econômico e empresarial supermercadista do Rio Grande do Sul.

A presença da Supra, parceira da feira há mais de 30 anos, reforça a importância do evento. Anco Marcio Assumpção, supervisor de vendas da Supra, conta que a Expoagas gera um crescimento de 80% nas vendas da empresa e que o público alvo são os criadores de animais de pequeno porte.

“A feira é um grande momento para a empresa, pois é aqui que expomos nossos novos produtos e fechamos novas parcerias”, afirma Assumpção.

Curiosidades do Mercado Pet

Cães representam a maior força dessa indústria, com 91,1% de participação do total produzido, o que significa um montante de mais de 470 mil toneladas de ração só para caninos. O tipo seco é o mais procurado (93,4%), seguido pelos alimentos úmidos (0,9%), snacks (0,3%) e semi-úmidos (0,1%). Já os alimentos para felinos ocupam o segundo lugar no segmento de pet food, e superam as 40 mil toneladas produzidas, o equivalente a 8,6% do total do período. As rações secas também lideram, com 95,6% de participação, seguidas pelos alimentos úmidos (1,6%) e gerais / não classificados (2,7%). O site da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para animais de Estimação (Abinpet) também divulga as estimativas de mercado de rações até o fim do ano de 2014. A projeção é que este ano o faturamento atinja os R$ 16,47, um crescimento de 8,2% em relação ao ano passado.

 EXPOINTER

A Supra também expõe seus produtos na Expointer, Exposição internacional de animais, máquinas, implementos e produtos agrícolas. Lá o foco são os animais de grande porte como cavalos, pôneis, vacas, porco, ovelhas e galinhas.

A empresa é uma das principais patrocinadoras da Expointer, que ocorre todos os anos nos meses de agosto e setembro. Em 2014 ocorreu sua 37° edição. Lá também é uma grande oportunidade para os bons negócios, conclui o supervisor de vendas da Supra, Anco Marcio Assumpção.

A empresa Supra é quem fornece grande parte dos alimentos, as rações que os animais comem durante o período que estão sendo expostos na feira e também durante longos períodos. Na feira o criador de pôneis Marcos Terra explicou ao blog de jornalismo econômico da UniRitter como funciona o dia a dia em seu haras, a alimentação dos animais, os gastos e lucros da atividade de criador.

“Quando vamos para alguma exposição como a Expointer, o nosso preparo começa 60 dias antes, e o nosso gasto diário com a alimentação é de R$ 2 por dia ou seja R$1 de ração e mais R$ 1 de alfafa branca para a alimentação do animal que irá para a feira, fora o salário do tratador”, realtou Marcos Terra.

Perguntei quanto, em média, custa um animal para ser vendido como estes de exposição. Marcos Terra informou que um pônei como o que está em exposição custa em torno de R$ 20 mil, já um para esporte ou para hobby custa a partir de R$ 3 mil.

Pônei do haras terra premiado na expointer 2014 Crédito: Camila Arosi

 

Animais são prioridade

Algum tempo atrás, eu trabalhei em uma loja que vendia rações para animais de pequeno a médio porte, os conhecidos pet´s.  Foi a partir dali que percebi e fiquei sabendo pelo relato de vários clientes que muitos deixavam de comprar comida para si, pensando no seu animalzinho de estimação.  A grande maioria me contava que no mercado compravam fiado, assim deixando o dinheiro para comprar as rações para seus animais de estimação.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *