A paixão que dá lucro

Raça Paint Horse, da égua Inspiração (foto), é um exemplo do crescimento no mercado de equinos. Crédito: Luiz Soares
Raça Paint Horse, da égua Inspiração (foto), é um exemplo do crescimento no mercado de equinos. Crédito: Luiz Soares

No campo do agronegócio, a 37ª edição da Expointer mostra que o mercado milionário da criação de equinos, no Brasil, emprega mais que a indústria automobilística e vai deixando de ser visto apenas como investimento em lazer.

Por Maureci Junior
Jornalismo Econômico / Noite

Segundo a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o mercado de cavalos de raça gera seis vezes mais empregos do que a indústria automotiva. O número de empregos diretos supera os 640 mil e o setor movimenta cerca de 7,5 bilhões de reais por ano no país.

De acordo com dados do Estudo do Complexo do Agronegócio Cavalo, realizado em 2004 pela CNA, mais de 80% dos cavalos brasileiros são destinados ao trabalho campeiro, o que equivale a aproximadamente 5 milhões de cabeças. No entanto, é a minoria, voltada para o esporte e o lazer, que está alavancando o mercado.

A transmissão dos leilões, pela tv e internet, tem colaborado para o crescimento da atividade. Em entrevista concedida para o UOL Economia, o leiloeiro Wilson Vitorio Jr. aponta que o homem urbano, estabilizado financeiramente na indústria ou no comércio, é o principal investidor desse ramo na atualidade.

O comprador de cavalos é fisgado inicialmente pela paixão, mas, com o tempo, isso se torna um negócio. “Eu sou apaixonado por cavalos. Isso é um hobby, mas no mínimo tem que ser auto-sustentável. Para mim, hoje, paixão tem que dar lucro”, relata Alex Lindohl, criador da raça Paint Horse, junto ao Box de um de seus animais, no primeiro dia da 37ª Expointer.

Paint Horse galopa nas terras do Crioulo

Os fatores que regulam o valor de um equino no mercado são a funcionalidade, a beleza e sua capacidade de reprodução anual. O Crioulo, por exemplo, de origem gaúcha, é propício ao trabalho campeiro. Nesse contexto, é justamente a versatilidade que tem garantido o crescimento do Paint Horse na equideocultura gaúcha e brasileira, uma vez que o cavalo, além de ser reconhecido esteticamente por sua conformação, também tem grande performance funcional, principalmente no aspecto esportivo. São Paulo ainda é o estado brasileiro com a maior manada de animais dessa raça.

O Paint Horse é de origem norte-americana, derivado do QM (Quarto de Milha). Quando colonizado pela Inglaterra, os EUA receberam cavalos PSI (Puro sangue Inglês), e seu cruzamento com o lendário Mustang Americano resultou no Quarto de Milha. Com o tempo, a raça QM passou a discriminar os cavalos que nasciam pintados, até que, em 1962, com a fundação da American Paint Horse Association, esses animais exóticos iniciaram oficialmente uma nova raça. Desde então, os Paints passaram a ser valorizados exatamente por serem pintados.

Marcelo Caleffi, presidente da Regional Sul do Cavalo Paint, mostra a égua Imperatriz, uma de suas matrizes, na Expointer 2014. Crédito: Maureci Junior
Marcelo Caleffi, presidente da Regional Sul do Cavalo Paint, mostra a égua Imperatriz, uma de suas matrizes, na Expointer 2014. Crédito: Maureci Junior

Segundo Marcelo Calleffi, presidente da Regional Sul do Cavalo Paint, o valor médio de um Paint Horse gira em torno de 20 mil reais, mas varia de acordo com o potencial reprodutivo e as premiações do animal. “Você compra um cavalo por R$ 15.000,00, hoje, e, amanhã ele vence uma prova de Três Tambores, por exemplo, e sai dali valendo R$ 40.000,00”, afirma ele, ao lembrar que o Paint Horse já foi campeão mundial desta prova, em que o cavalo tem que contornar três toneis no menor tempo possível.

Marcelo também chama a atenção para a homozigose, característica genética do filho que herda genes idênticos dos pais. O presidente da Paint Sul salienta que isso faz uma diferença considerável no valor do produto, pois se o animal for duplamente homozigoto, invariavelmente suas crias terão a pelagem pintada, com a boca branca e os olhos azuis. O sêmen de um garanhão puro de origem (PO) vale cerca de R$ 3.000,00 e a cobertura custa em média R$ 2.600,00.

Na avaliação de Orlando Lamônica Junior, presidente da Associação Brasileira dos Criadores do Cavalo Paint (ABC Paint), os animais desta raça poderiam estar ainda mais valorizados se os proprietários segurassem um pouco as vendas. Em seu editorial para a última edição da revista Paint Horse Magazine, Lamônica frisou que um Paint treinado tende a tornar-se multicampeão e, assim, agregar cifras expressivas ao seu valor comercial, mas que, devido à grande demanda, os criadores estão vendendo os potros antes mesmo de prepará-los para competir.

Confiante na performance esportiva de seus cavalos, a ABC Paint pretende dar subsídios aos criadores que treinarem seus animais e participarem dos campeonatos. O projeto de parceria visa incentivar novos competidores e, dessa forma, verticalizar a valorização do Paint Horse no mercado nacional.

Percheron busca espaço no mercado

Ao todo, a Expointer 2014 exibiu 1139 equinos. Entre eles, o Paint Horse não foi o único que se destacou pelo potencial estético. Outro personagem que chamou atenção no início da feira, também, por sua beleza, foi o Percheron, cavalo de origem francesa, da região de Le Perche, e que representa a raça mais conhecida no mundo em força de tração.

O garanhão tordilho "Cannis" representa a força e a beleza do cavalo Percheron. Crédito: Maureci Junior
O garanhão tordilho “Cannis” representa a força e a beleza do cavalo Percheron. Crédito: Maureci Junior

O porto-alegrense Marcio Barcellos era um dos poucos criadores da raça que estavam presentes no Parque de Exposições Assis Brasil, na inauguração do evento. Segundo ele, além de se destacar pela aparência e porte imponente, o Percheron tem o perfil ideal para cavalgadas: “É um animal dócil, disciplinado, e também oferece muito conforto para a montaria. Adoro levá-los em desfiles”.

Marcio ressalta, no entanto, que o número de animais desta raça ainda é discreto no Brasil e que o Rio Grande do Sul é o estado com uma das maiores concentrações. A cultura do Percheron tem sido aprimorada na última década e, pelo seu potencial, “a tendência é que o cavalo venha a conquistar seu espaço no mercado”, prevê o criador.

A criação deste equino, do ponto de vista de cuidados e alimentação, é considerada simples. O detalhe é a cocheira, que, pelo tamanho do cavalo, deve ter o dobro das dimensões padrão.

Atualmente, o valor médio de mercado de um Percheron PO (puro de origem) é R$ 28.000,00 e sua variação depende, principalmente, do número de coberturas possíveis por ano e de suas premiações em concursos de conformação. Isso porque sua funcionalidade é voltada para a força e tracionamento, provas ainda sem tanta tradição.

A descendência exata dos Percherons ainda gera discussões. O que se sabe é que uma de suas origens é a raça Árabe e que toda a sua linha de sangue partiu do cavalo Jean Le Blanc, que nasceu em Le Perhce, no ano de 1823. Com músculos superdesenvolvidos e crinas em abundância, o francês é também um dos maiores equinos do mundo. Seu peso é de aproximadamente uma tonelada e sua altura pode beirar os dois metros, apesar disso, sua estrutura é harmônica e possibilita um andar leve e gracioso.

Hotéis equestres em Porto Alegre

Em média, o investimento mensal necessário para a criação de cavalos varia entre R$ 800,00 e R$ 1.500,00 por animal, incluindo estadia e alimentação. Alguns haras já oferecem o serviço de doma e treinamento, outros têm um valor mais acessível para a estadia e deixam a alimentação por conta do criador. Só na zona sul de Porto Alegre, por exemplo, há várias opções de hotéis equestres e pensionatos que realizam essa atividade. Segue um gráfico com alguns locais em Porto Alegre e valores:

Haras                                            Bairro                               Valor da estadia
Cabanha La Paloma         Lageado                                       R$ 300,00
Sociedade Hípica                Hípica                                          R$ 1800,00
Centro Hípico Lacan        Aberta dos Morros              R$ 570,00
Cabanha El Potro              Belém Novo                              R$ 300,00
Rancho Carmel                   Costa Gama                              R$ 250,00

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *